A ECONOMIA TORNOU-SE UMA PSEUDOCIÊNCIA ...


Bem-estar Organizacional

Para fazer rir Deus bastará falar-lhe das mais bem sucedidas teorias económicas da atualidade. Em especial daquelas que nos colocaram na crise. Para o fazer gracejar bastará contar-lhe a propósito dos planos daqueles que nos tirarão da crise. Isto com todo o respeito, é claro. Com Deus não se brinca...


É que a vida, tal qual o humor, compreende também o mau humor. O problema é que o mau humor não compreende nada! E, a economia tem andado, sorridentemente, diga-se de passagem, do lado do mau humor.


E, entre este tentar e a vertigem de não conseguir, vou acreditando que o que é realmente importante na vida, nos negócios, na economia,..., não tem de ser extraordinário. Apenas tem de ser verdade. É aqui que todos os modelos, todas as teorias, quase todos os prémios Nobel da economia parecem ter falhado.


O cisma económico moderno

Primeiro, a economia não integra a mente como instancia subjetiva e interdependente. Insisto, é aqui que se funda a crise económica contemporânea. Esta é fruto da mais fratricida de todas as guerras: a luta pelo controlo mental do ser humano.


Segundo, também as redes sociais, em tempos vistas como a solução para uma nova economia, se vieram a revelar o seu maior contratempo. E, qualquer coisa que seja, a um mesmo tempo, a solução e o problema não é um dilema. Logo, não pode representar uma escolha. O crescimento exponencial dos factores incontroláveis na economia moderna por via de uma globalização de acesso democratizado aos meios de comunicação revelou-se desconfortável, essencialmente, para o lado da oferta.


Como forma de contrariar estes desafios a economia tem vindo a assumir uma nova doutrina, aproximando-se, agora, de uma qualquer religião. A economia, os negócios, assim como todas as religiões, estão reféns de uma palavra comum: secretismo. Dependendo de códigos secretos, alguns transformados em algoritmos mágicos, partilhando uma mesma estratégia.


Comprometidos com o mito do progresso, religião e economia passaram a ter como objetivo de primeira linha chegar à mente humana. Esta passou a ser o objeto de atenção da atividade empresarial, isto a um mesmo ritmo que a religião, a espiritualidade e as suas terapias se vão mercantilizando, chegando mesmo a concorrer em muitos dos seus aspetos. Mas, a principal razão para o insucesso de todas elas reside no facto da mente não estar quieta em si mesma. Não sendo um ponto fixo no espaço, dificilmente ela virá a ser atingida pelos meios tradicionais de suporte à economia.


A metáfora mais interessante a este respeito será a de conhecermos a orquestra e os músicos. Dominarmos a pauta e os instrumentos. Mas não sabemos quem é, ou onde está, o maestro. Assim, a economia não poderá impor-se na condução da orquestra a que chamamos sociedade, vida, existência.


Pseudociência porquê ?


Porque se tornou avessa à avaliação, em especial, por parte de especialistas / técnicos de outras áreas, como que querendo ir por si própria, deixando de ser rigorosa quando à intenção pela qual se move. Ainda, pela obsessão quanto aos objectivos apenas de alguns. Ou, pela falta de lucidez e sistematização. Por tudo isso, dever-se-á, quanto a mim, questionar o seu estatuto enquanto ciência social. Atente-se que a validade de grande parte das suas ferramentas de análise e suporte, em especial aquelas que se baseiam em processos estatísticos, em nada saírem afetadas por esta minha afirmação. A conceptualização moral terá que ser repensada. Só deste modo poderemos realizar o desafio que esteve na sua origem.


Finalmente, não se faz um mundo diferente com pessoas indiferentes à ideia de um local melhor para todos. Não se pode crescer infinitamente perante uma economia baseada nos recursos finitos de um planeta devassado a favor de tão poucos. Enquanto não mudarmos as palavras que nos farão avançar o mundo continuará a ser um lugar apenas só para alguns. Em economia isto significará, por exemplo, substituir a palavra “crescimento” pela, tão esquecida, palavra “cuidar”.


A ideia que poderá existir um ser humano escravo dos modelos económicos tem-se mostrado falha, só assim se justificando que hoje, neste preciso momento, haja gente na rua disposta a morrer em defesa do óbvio. E, que mundo é este em que para se ser justo é preciso ser louco?

Featured Posts
Recent Posts
Archive
Search By Tags
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey Vimeo Icon
  • Grey LinkedIn Icon