O que felicidade e trabalho têm em comum?

April 26, 2017

 

Bem-estar Organizacional

 

Na origem da expressão felicidade está a palavra grega eudaimonia, ou seja, a representação da motivação humana. Trabalho tem como origem no latim a palavra tripalium, designando o instrumento de tortura usado para controlar os escravos, isto no tempo dos romanos... Veja-se a energia negativa que esta palavra tem desde tempos imemoriais.

 

Sucesso e fracasso são – agora – os dois maiores  impostores convertendo a concepção do trabalho em algo  doloroso. Isso tornou-se, quanto a mim,  bem mais grave que o desemprego. Todos sentimos que, cada vez mais, o que incentiva os portugueses a trabalhar é a fome e a sede. E, isto é desumano! Falta portanto pensar o trabalho desde o estimulo da felicidade.

 

Ser feliz é ser útil !

O que é que a felicidade e o trabalho, estas duas dimensões do horário nobre das nossas vidas, poderão ter em comum nos nossos dias? Nada! A não ser que ambas terão de ter outro lugar no nosso quotidiano. Penso que até aqui estamos  de acordo. É urgente a mudança! Se a tradicional concepção de trabalho, seja como valor ou como transação, está ultrapassada, o papel da  felicidade nas organizações terá de ser, igualmente, repensado.

 

Consequentemente, felicidade e trabalho  terão de ser debatidas do ponto de vista do ser humano que questiona ativamente. Para alterar o resultado torna-se imprescindível mudar as questões que nos farão avançar, muito em especial as que se relacionam com as nossas escolhas profissionais, cultivando aquilo que é mais forte em cada um de nós. Todavia, falta coragem para que todos partam de si próprios, dos seus limites, sem diabolizar o sistema, pois ele é resultado das nossas crenças  mais profundas. O desfecho disto é bem conhecido. Todos os dias fazemos coisas na ânsia incontida de ter o que nos deixa felizes, esquecendo-nos de ser o que nos faz felizes.

Infelizmente, temos depreciado a felicidade que nos chega por “me sentir útil”, a que nos realiza desde a essência, preferindo a  felicidade  que “me faz sentir bem de certo modo”. Esta ultima é facilmente, ainda que fugazmente, realizada pelo ter. Isto é, ter um bom carro, boas roupas, boas férias,..., ter crédito, etc.

O “Clube da Felicidade”

Ser feliz é, também, poder escolher. O acesso à felicidade sem a necessária responsabilidade remete-nos para a  angustia do trabalho  transformado  no  sono de ser feliz. A vida fez-se , então, monotonia e, por via disso, tornamo-nos iguais a ela. Mia Couto confessou ser  feliz só por preguiça. “A infelicidade dá uma trabalheira pior que doença: é preciso entrar e sair dela, afastar os que nos querem consolar, aceitar pêsames por uma porção da alma que nem chegou a falecer.”.

 

Mas, como poderemos levar a felicidade para o ambiente organizacional ? Desde logo, criando Clubes da Felicidade nas escolas. Nas organizações a felicidade deverá fazer parte do plano de trabalho  de todas as equipas, o mesmo para  famílias ou as  salas de aula. Sendo medida como um indicador de sucesso empresarial será uma fonte de atratividade para a construção de uma nova matriz estratégica de recursos humanos. Outras atividades, igualmente, importantes para  a inclusão da felicidade no trabalho são a prática desportiva e espiritual em equipa, a gentileza e a cortesia autenticas, a dieta e o tipo de alimentação, o tempo despendido em atividades na Natureza, a compaixão, a gratidão, a forma como gerimos o stress e o silencio, o envolvimento religioso, o ativismo social etc.

 

As mais modernas formas de sociabilização são alicerçadas no enfraquecimento interno do ser humano, sustentadas maioritariamente por estratégias de pânico e medo. O insucesso, a solidão, a infelicidade, o desemprego, o divórcio, a pobreza, são conceitos que a todos amedrontam no mundo contemporâneo, distraindo-nos daquilo que realmente importa: ser autêntico. A verdadeira felicidade vem daqui mas, para isso, será necessário que conheça a sua “face original”. A sua felicidade , assim como a minha, está dependente da  resposta a esta questão. Comecemos por aí, independentemente do ambiente onde nos encontremos. E, este é um desafio para a vida...

Please reload

Featured Posts

Mentoring Evolutivo I-ACT em pessoa e online com Wagner Alegretti ou Nanci Trivellato

October 8, 2018

1/3
Please reload

Recent Posts
Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags